Página Inicial / Geral / 07/10 CÂMARA DE GUARAPARI APROVA: lei que dá prioridade a mulheres vítima de violência domestica em matrículas e transferência de filhos nas escolas municipais

07/10 CÂMARA DE GUARAPARI APROVA: lei que dá prioridade a mulheres vítima de violência domestica em matrículas e transferência de filhos nas escolas municipais

CMG APROVA LEI QUE DÁ PRIORIDADE A MULHERES VÍTIMAS DE VIOLÊNCIA DOMÉSTICA EM MATRÍCULAS E TRANSFERÊNCIAS DE FILHOS NAS ESCOLAS MUNICIPAIS

Na sessão desta quinta-feira (07/10), a Câmara de Guarapari aprovou, em segunda discussão e votação final, o Projeto de Lei nº 152/2021, de autoria conjunta das vereadoras Sabrina Astori (DC) e Kamilla Rocha (PTB), determinando que toda mulher moradora de Guarapari, vítima de violência doméstica e familiar, de natureza física, psicológica e/ou sexual, deverá ter direito garantido à preferência de matrícula e transferência de matrícula de seus filhos – ou de crianças e adolescentes sob sua guarda definitiva ou provisória –, nas escolas da Rede Municipal de Educação.

Vereadoras Sabrina Astori (DC) e Kamilla Rocha (PTB)A matéria, que embasa seus dispositivos de modo consoante com os termos do art. 7º, incisos I a V, da Lei Federal nº 11.340, de 07 de agosto de 2006, seguirá agora para a análise do Poder Executivo, a quem caberá a decisão de sancionar ou de vetar a proposição.

“Para garantir o direito de preferência previsto nesta Lei, a mulher vítima de violência doméstica deverá apresentar cópia do Boletim de Ocorrência (BO), em que conste a descrição dos fatos e a intenção de representar judicialmente contra o suposto agressor. Ou a vítima também poderá apresentar cópia da decisão judicial que concedeu medida protetiva em seu favor, contra o agressor, nos termos da Lei Maria da Penha.

Esses documentos e demais dados referentes à vítima, mãe ou responsável pelos alunos, serão protegidos e mantidos sob sigilo pela instituição escolar”, explicou a vereadora Sabrina Astori.

“Nosso projeto também veda a discriminação de qualquer natureza, dos filhos e das mulheres vítimas de violência doméstica, que requeiram o direito de preferência estabelecido nesta Lei, e das crianças e adolescentes matriculados nas unidades escolares, em razão deste direito.

Para disciplinar a aplicação desta Lei, o Poder Executivo poderá cuidar de sua regulamentação naquilo que lhe couber”, salientou a vereadora Kamilla Rocha.

Acesse o link a seguir e conheça este projeto em detalhes:
http://www3.cmg.es.gov.br/Sistema/Protocolo/Processo2/Digital.aspx?id=13092&arquivo=Arquivo/Documents/PL/13092-202108041429349978-assinado.pdf#P13092    

Você pode Gostar de:

TJES: Escritório Social Virtual será lançado nesta sexta-feira (29)

Nesta sexta-feira (29), egressos do sistema prisional poderão complementar o atendimento físico que é realizado no Escritório …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *