Página Inicial / Fiscalização / 15/05 PELA MANHÃ: PF desarticula organizações criminosas especializada no desvio de recursos públicos

15/05 PELA MANHÃ: PF desarticula organizações criminosas especializada no desvio de recursos públicos

7a39a8d0-50e8-4f78-8b92-cfc31d73dfd4.jpg
Cruzeiro do Sul/AC – A Polícia Federal deflagrou nesta terça-feira (25/5) a Operação JUMPER, com o cumprimento de mandados judiciais em Cruzeiro do Sul/AC, Rio Branco/AC, Manaus/AM, Brasília/DF, Pindamonhangaba/SP, São José dos Campos/SP, Salvador/BA e Serrinha/BA; e a Operação SÚPLICA, que cumpre mandados nas cidades de Cruzeiro do Sul/AC e Natal/RN.

 

Ambas as ações visam a desarticular supostas organizações criminosas que, de forma estruturada, praticavam os crimes de peculato, corrupção passiva e ativa, falsidade ideológica, lavagem de dinheiro, dentre outros; além de coletar novos elementos de provas que possam corroborar, ratificar ou alterar as hipóteses criminais traçadas no bojo das investigações.

Mais de 110 policiais federais participam das operações, visando ao cumprimento de 42 mandados judiciais expedidos pela Justiça Federal, Subseção Judiciária de Cruzeiro do Sul/AC, sendo 29 de busca e apreensão,

4 de prisão, 8 de sequestro de bens móveis e 1 mandado de afastamento cautelar do cargo público. Além disso, estão sendo bloqueados os ativos financeiros dos principais envolvidos no montante de aproximadamente R$ 6 milhões.

A Operação JUMPER apura supostos desvios de recursos públicos no âmbito de dois termos de colaboração firmados pela Prefeitura de Cruzeiro do Sul com a Fundação Cultural e de Comunicação Valença – FCCV, envolvendo o repasse de aproximadamente R$ 25 milhões. De acordo com a investigação,

os desvios eram dissimulados por meio de notas fiscais fraudulentas emitidas por empresas indicadas por agentes políticos e integrantes do esquema criminoso, as quais figuravam como prestadoras de serviços, sem que houvesse uma contraprestação legítima. Nos últimos anos, em outros Estados da Federação, a FCCV recebeu cerca de R$ 90 milhões.

A operação JUMPER foi assim nomeada tendo em vista que a palavra, em inglês, significa saltador, o que remete ao modus operandi da organização criminosa investigada, que salta de município para município, estado para estado, na tentativa de cooptar agentes políticos e servidores para a organização e, com isso, ampliar

o montante de recursos públicos que poderá ser desviado, ocultado, dissimulado e movimentado em prol de seus membros.

Por sua vez, a operação SÚPLICA investiga se houve desvio nos quase R$ 4,5 milhões repassados pela União ao município de Cruzeiro do Sul/AC, em face dos danos causados à população cruzeirense pelas enchentes do Rio Juruá nos anos de 2017 e 2021.

A investigação revelou que houve mais de 15 contratações diretas com fornecedores escolhidos pelos gestores municipais, havendo fortes indícios de que cotações de preços, que fundamentaram a escolha das empresas fornecedoras, foram dolosamente fraudadas.

Por conseguinte, efetivava-se o desvio e a apropriação de verbas federais, em detrimento da prestação de serviços para as pessoas atingidas pelas enchentes, causando grande prejuízo ao erário e social.

A operação SÚPLICA foi assim batizada em alusão à música SÚPLICA CEARENSE, de composição dos músicos Gordurinha e Nelinho em 1960, após um período de muita chuva no Nordeste.

Tal música foi imortalizada na voz de Luiz Gonzaga, embora uma de suas versões mais famosas seja a gravada pelo grupo O RAPPA, que acrescentou um tom crítico quanto aos interesses políticos e desvios realizados com os repasses de verbas destinados a ajudar vítimas das enchentes e secas no Nordeste. 

A Polícia Federal continuará a apuração na tentativa de elucidar a real amplitude das supostas organizações criminosas, bem como identificar o grau de participação de cada um dos envolvidos.

Fonte/Foto: Comunicação Social da Polícia Federal no Acre

Você pode Gostar de:

21/06 AGORA: Policiais civis e a agentes da PRF atuam na operação estrada Segura combate crimes na BR-101

Policiais civis da 74ª delegacia de polícia (DP) de Alcântara e agentes da Polícia Rodoviária …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *