Página Inicial / Fiscalização / ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA NO SERVIÇO PÚBLICO: PF deflagra a terceira fase da Operação Outline

ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA NO SERVIÇO PÚBLICO: PF deflagra a terceira fase da Operação Outline

Recife/PE – A Polícia Federal deflagrou na quarta-feira (25/11) a terceira fase da Operação Outline, que investiga organização criminosa que atuava junto ao Departamento de Estradas e Rodagens do Estado de Pernambuco, havendo suspeita de desvios de recursos que deveriam ter sido empregados em obras e serviços geridos pelo órgão, a exemplo da Requalificação da BR-101 – trecho do Contorno Viário da Região Metropolitana de Recife/PE. O grupo é também investigado pela prática de outros crimes, como corrupção e lavagem de dinheiro.

 

Estão sendo cumpridos dois mandados de busca e apreensão de bens, a exemplo de um veículo, avaliado em R$ 190 mil, e uma lancha, avaliada em R$ 270 mil. Determinou-se, ainda, o sequestro de apartamentos em Recife/PE e em Gravatá/PE, joias e relógios de alto valor (um deles avaliado em mais de R$ 200 mil) e o bloqueio de contas bancárias, tendo como parâmetro um prejuízo estimado em mais de R$ 10 milhões com as atividades do grupo. Todas as medidas foram deferidas pela 13ª Vara da Justiça Federal, em Recife/PE. As buscas foram realizadas em Recife e em Paulista para apreensão de veículos e embarcação. Os imóveis são sequestrados por meio de ofícios aos cartórios.

 

Os alvos das medidas cumpridas nesta data são ex-servidores do DER/PE, que foram responsáveis pela fiscalização e liberação de recursos da obra da BR 101 e outras, entre 2017 e 2019, os quais tiveram acréscimo patrimonial incompatível com os seus rendimentos nos últimos anos. De acordo com as evidências coletadas pela PF, apenas um irrisório percentual das movimentações financeiras desses investigados era decorrente de rendimentos lícitos (salários).

 

Noutra linha de investigação, descobriu-se que empresa contratada constantemente para execução de obras e serviços pelo órgão, realizou diversas transações simuladas com empresas fantasmas. Um empresário representante dessa empresa também foi alvo de medidas de sequestro de bens.

 

Todo o conjunto probatório converge para a prática de crimes como peculato, corrupção ativa e passiva, organização criminosa e lavagem de dinheiro, cujas penas máximas, se somadas, chegam a 42 anos de reclusão.

Fonte/Foto: Comunicação Social da Polícia Federal em Pernambuco

 

Você pode Gostar de:

OPERAÇÃO DA PF: desarticula organização criminosa e apreende mais de 600 kg de maconha

Brasília/DF – A Polícia Federal deflagrou, com apoio da PMDF e PMGO, no sábado (17/4) …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *