Página Inicial / Geral / PC-ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA NO ES: movimentou mais de R$ 800 milhões de reais com atuação interestadual e internacional

PC-ORGANIZAÇÃO CRIMINOSA NO ES: movimentou mais de R$ 800 milhões de reais com atuação interestadual e internacional

A Polícia Civil do Espírito Santo deflagrou, na terça-feira (15), a Operação Piànjù, com objetivo de a desarticular de uma organização criminosa com atuação interestadual e internacional. Ao todo, dez empresários foram detidos, sendo quatro presos no Estado, cinco em São Paulo e um no Ceará.

A operação Piànjù é coordenada por meio da Divisão Especializada de Furtos e Roubos de Veículos (DFRV), do Departamento Especializado de Investigações Criminais (Deic) e do Grupo de Atuação Especial de Repressão ao Crime Organizado (Gaeco), do Ministério Público do Estado do Espírito Santo (MPES). A ação contou com apoio das Polícias Civis de São Paulo, Alagoas e Ceará, além da Capitania dos Portos da Marinha do Brasil.

A operação ocorreu de forma simultânea em quatro estados. No Espírito Santo a operação ocorreu nos municípios de Vitória, Vila Velha, Serra e Cariacica, em São Paulo decorreu na Capital, Santos e Jaguariúna, no Ceará intercorreu em Fortaleza e em Alagoas passou-se Maceió.

Ao todo 118 agentes foram empregados na operação. Foram expedidos 126 mandados judiciais. Sendo 18 mandados de prisão preventiva, cinco mandados de prisão temporária, 30 mandados de busca e apreensão, 23 sequestros de embarcações, 43 ordens judiciais de bloqueio de contas bancárias e duas ordens judiciais de suspensão de atividades econômicas.

Dentre as ordens de busca e apreensão encontram-se 12 imóveis, três veículos de luxo (Porsche Panamera, Maserati Granturismo e Mercedes Benz GLA 200 ff), além de 12 motos aquáticas e 11 embarcações.  

Investigações

A operação Piànjù é fruto de uma investigação que perdurou dois anos e denotou uma célula de uma organização criminosa que atuava no Espírito Santo. Essa associação era composta por dois grandes empresários capixabas e diversos outros membros, que agiam como “prestadoras de serviços” de lavagem de capitais para outras organizações criminosas.

O grupo criminoso desarticulado atuava de forma estruturada com a finalidade de praticar diversos crimes, entre eles: organização criminosa, lavagem de dinheiro, falsificação de documentos públicos e particulares, inserção de dados falsos em sistemas informatizados, falsidade ideológica, estelionato e falsa comunicação de crime.

O esquema criminoso foi descoberto a partir de um falso comunicado de roubo de um caminhão. “Descobrimos que ele não existia fisicamente e que só constava no banco de dados do Detran e do Renavan. Esses caminhões ‘fantasmas’ serviam de patrimônio para essas empresas para que elas pudessem fazer o envio de dinheiro para a China e para os Estados Unidos”, disse o titular da DFRV, delegado João Paulo Pinto.

“Nessa primeira fase da investigação sabemos que o dinheiro era enviado por determinadas empresas envolvidas em outros crimes, mas queremos saber se esses recursos pertenciam às companhias do Espírito Santo e de quais atividades eles eram fruto. Sabemos que os empresários daqui ficavam com uma parte do dinheiro e o resto mandava para fora. Eles pagavam os impostos para fugir das fiscalizações dos órgãos de controle”, explicou o delegado.  

Investigados na Operação Lava Jato

Durante a investigação, comprovou-se que a organização criminosa possuía ligação com empresas e pessoas investigadas e denunciadas no âmbito de diversas fases da Operação Lava Jato, realizadas por meio da Polícia Federal e Ministério Público Federal. Entre elas a Operação Chorume, Operação Descarte, bem como empresas que já foram investigadas por atuarem com os doleiros Alberto Youssef e Nelma Kodama, todos no âmbito da força tarefa da Operação Lava Jato.

Uma das empresas é investigada pelo Ministério Público do Rio de Janeiro, por desvios de mais de R$ 98 milhões em Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS), tendo esta Organização Criminosa sediada no Estado do Espírito Santo movimentado mais de R$ 800 milhões de reais, valor global.

 

Você pode Gostar de:

06/05 AGORA: Butantan envia mais 1 milhão de doses da CoronaVac para o Ministério da Saúde

O Instituto Butantan envia hoje (6) para o Ministério da Saúde um lote de mais 1 milhão …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *