Página Inicial / Fiscalização / PF deflagra operação contra abusos sexuais de criança na internet

PF deflagra operação contra abusos sexuais de criança na internet

PF investiga suspeito de abusar sexualmente de uma criança e de distribuir imagens relacionadas ao crime em redes sociais.

 Rio Branco/AC – A Polícia Federal deflagrou na quinta-feira, 14, em Rio Branco/AC, a “Operação Despudor”, a fim de cumprir dois Mandados de Busca e Apreensão, expedidos pela Justiça Federal de Rio Branco, em face de suspeito de abusar sexualmente de uma criança e publicar posteriormente em redes sociais.

As investigações versam acerca de condutas de um suspeito dos crimes: (I) estupro de vulnerável, (II) produção de vídeo contendo pornografia infantil e (III) armazenamento e compartilhamento do referido material. O relatório foi produzido com base em informações enviadas pelo NCMEC – NATIONAL CENTER FOR MISSING AND EXPLOITED CHILDREN. Esta é uma organização não governamental, sem fins lucrativos, que recebeu apoio do Governo norte-americano, para estabelecer um mecanismo centralizado de recebimento de “denúncias” sobre crimes relacionados a abuso sexual infantil e desaparecimento de crianças.O trabalho do grupo consiste em receber alertas de prestadores de serviços de conexão e internet de suspeita de exploração sexual infantil que trafeguem em suas redes. Os casos suspeitos são encaminhados à Polícia Federal para investigação.

Durante a operação foi encontrado material pedopornográfico no celular do suspeito. O investigado responderá conforme previsto nos artigos 217-A do Código Penal e 240, §2º, inciso III e 241-A e 241-B do Estatuto da Criança e Adolescente.

Em consideração a pandemia causada pela COVID-19, todas as cautelas foram tomadas.

Fonte/Foto: Comunicação Social da Polícia Federal no Acre

 

Você pode Gostar de:

AGORA(15/10: Polícia Federal operação que investiga trocas de favores políticos por vantagens pessoais

Recife/PE – A Polícia Federal deflagrou nesta sexta-feira (15/10) Operação Payback, que visa apurar crime …

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *